Mocotó nova-iorquino

Para um pernambucano, é até ofensivo pensar que alguém em São Paulo possa fazer a comida tradicional do seu estado melhor de que nós mesmos. Isso provavelmente vale para cada estado e suas tradições. E não adianta São Paulo ter os melhores restaurantes do Brasil, acesso a toda matéria prima, melhores escolas, chefs geniais, muito mais dinheiro, mas não adianta que nunca vai ser igual. Mas São Paulo pode adaptar, e criar sua própria leitura da comida pernambucana de forma genial, como o Mocotó faz. Não é igual, não é melhor, mas é sensacional.

O Daisy May, no lado Oeste da cidade, podrão e sensacional

Agora mudemos para os Estados Unidos e troquemos Pernambuco por, digamos, Texas, e São Paulo por Nova York. Ninguém em Nova York jamais vai fazer churrasco texano melhor de que qualquer bodeguinha de beira de estrada do Texas (dizem que as da beira da estrada são as melhores). Não adianta. Os próprios críticos locais admitem isso, assim como os texanos sabem que suas cidades não são um bom lugar para procurar comida italiana, ou pizza, por exemplo.

Oklahoma Jumbo Beef Rib, que os atendentes dizem não ser suficiente para duas pessoas

Mas Nova York adapta, e consegue fazer um churrasco delicioso, por mais que fugindo ao sabor autêntico da tradição de lugares especialistas no assunto, como o Texas, a Carolina do Sul, o Tennessee, e Oklahoma. Não há nem tantas opções, mas perto do rio Hudson, em Midtown West (onde há menos opções boas para comer de que no resto da cidade), há pelo menos um restaurante que representa bem essa leitura cosmopolita e rica do churrasco texano, aquele em que a carne assa longamente, com muitos temperos e no bafo de fumaça, ficando macia e com sabor intenso.

A carne macia é cortada facilmente mesmo com talheres de plástico

O Daisy May é um boteco simples, com um salão em estilo de refeitório, com mesas longas e decoração de fotos de churrascos ao ar livre. O cardápio tem basicamente opções de carnes na brasa, servidas com acompanhamentos simples, mas bons, ou em sanduíches. Não há opções de comidas para quem não come carne, porco ou frango. Nem mesmo um peixinho e nem pensar em salada.

A carne com os acompanhamentos, que não são tão atraentes, mas são deliciosos também

Os clientes fazem o pedido e recebem a comida em um balcão, o churrasco é servido em bandejas vermelhas sem proteção e vem em pratos de papelão acompanhados de potes de isopor com as guarnições, além de talheres de plástico.

O cardápio na parede, sem salada ou nenhuma opção para vegetarianos

Pelo menos a carne é tão macia que o talher de plástico é mais de que suficiente para cortá-la. Suculenta, ela se desfaz até mesmo com o garfo, e é deliciosa, com um tempero que passa da superfície e entra em toda a carne – de longe o melhor churrasco experimentado por essas bandas até agora.

O ambiente com cara de refeitório

E tudo a preços bem modestos. O prato experimentado foi uma costela de boi que na verdade nem é do estilo texano propriamente dito, a Oklahoma Jumbo Beef Rib. A porção alimenta duas pessoas com sobra por U$ 21 – além da carne pode-se escolher dois acompanhamentos, o purê e o feijão adocicado experimentados estavam excelentes, apesar da cara menos atraente. Mas é bom saber disso, pois o povo que atende por lá, apesar de simpáticos, têm um apetite monstro para carnes, e chegaram a dizer que a costela talvez não desse para duas pessoas.

A bandeja vermelha com prato de papelão, marca registrada do lugar

O Daisy May é invenção do nova-iorquino Adam Perry Lang, de 36 anos, que antes estagiou em restaurantes de luxo na própria cidade e na França. Ele ganhou vários prêmios entre 2004 e 2007 pelo churrasco do restaurante, que já foi apontado como o melhor de Nova York por guias como o Zagat.

O Daisy Mae organiza churrascos em domicílio para quem não quer ir no ambiente meio podrão do restaurante, e eles também vendem alguns dos pedaços de carne em uma barraquinha de rua que fica ali em Midtown. Um dos grandes destaques deles é o preparo de um porco inteiro (ou metade) na brasa, para grandes grupos.

Serviço:
Daisy May’s BBQ USA
623 11th Ave. (corner of 46th St.)
New York, NY
212-977-1500

Não acredita? Então olha aí também…

NYTIMES sobre as churrascarias de NY

Yelp dá nota 4,5 de 5

Time Out

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s